Apresentações: Fuja das imagens óbvias.


Enquanto se preparava para uma apresentação, a Thais ofendeu-se com o comentário do namorado, diretor de arte de uma agência:

— Não aguento PowerPoint com imagem de tiro ao alvo para representar meta.

A Thais não teve coragem de contestá-lo e trouxe a questão para nós:

— Não é o certo? Não facilita a compreensão da audiência?

Facilita. A compreensão é automática, instantânea. A pergunta é: qual é a graça? Você gosta de ver mil vezes um filme que não é o seu preferido?

Esse é o conceito. Assim como os filmes, uma apresentação óbvia não garante o envolvimento da audiência e a comunicação eficiente da sua mensagem. A fotografia é uma ferramenta poderosa, que não pode ser desperdiçada.

Listamos três dicas para situações como essa:

1. REFLITA: Que mensagem você quer transmitir? Esse é o primeiro passo para criar uma narrativa visual, que não necessariamente inclui a inserção de uma imagem. Você pode optar, por exemplo, por uma arte que torne mais clara a relação Metas > Resultados > Venda.

2. INSPIRE: Feita a escolha pela fotografia, lembre-se que ela não precisa ser literal. Abuse de metáforas e analogias. Essa é a magia do cinema. O lúdico facilita o entendimento.

3. OUSE: Os bancos de imagens são muito práticos, mas perde-se muito da naturalidade e da personalidade na produção. Uma boa alternativa é navegar por banco de fotógrafos, como o Flickr. As imagens, além de criativas, são mais espontâneas.

Um lembrete: É fundamental checar a licença das fotos.
A inscrição Creative Commons, simbolizada como CC, indica que o uso está liberado.

 


Acompanhe as histórias e dicas da Salamarela, duas vezes por semana, no blog Boas Novas.
Se preferir, receba nosso conteúdo no seu email. Tem dúvida? Precisa de ajuda? Escreva para a gente.